Notice
  • There is no category chosen or category doesn't contain any items

Feminismo e Abolicionismo: Libertação Animal humana e não-humana.

Sexismo e Especismo
Tamara Bauab Levai

 

feminismoA sociedade atual ainda prioriza o homem branco ocidental em detrimento de todo o resto da criação. Comportamentos considerados culturais, não devem ser confundidos com comportamento natural, não é natural que seres humanos dotados de consciência e racionalidade, do século XXI ainda possam se divertir com acontecimentos como um rodeio ou uma tourada, seres que pregam a paz e dizem lutar por ela ainda toleram violência contra a mulher achando que este tipo de coisa é natural, não é.

O movimento de libertação visa por fim ao preconceito e a discriminação baseados em características arbitrárias, como a raça, o sexo ou a espécie, talvez o especismo seja nossa última fronteira ética, isso requer uma expansão dos nossos horizontes morais.

Negros e mulheres já foram considerados seres inferiores, desprovidos de alma ou inteligência. Querer igualdade moral para os animais parece tão absurdo quanto achavam absurdo a igualdade feminina.

Os sexistas violam o princípio da igualdade, ao favoreceram os interesses do próprio sexo. Os especistas ao levarem em conta os interesses de sua própria espécie em detrimento dos interesses de membros de outras espécies.

No começo da "ocupação" humana sobre a Terra, ainda não se reconhecia o envolvimento do homem na geração de novos seres. O surgimento da vida era atribuído ao corpo feminino, e por este motivo desenvolveram uma divindade feminina, a vida era ocasional, uma benção da deusa mãe. Eram tempos matriarcais.

O homem se esforça para estar ao lado da mulher desenvolvendo amor pelos filhos. Nosso sucesso como espécie deveu-se á divisão do trabalho entre machos e fêmeas, os machos se especializaram na função de provedores de alimento, as fêmeas ocupavam o centro da vida social, preparando o alimento, criando os filhos e organizando a tribo, as mulheres aprenderam a lidar com vários problemas ao mesmo tempo. Havia um equilíbrio entre homens e mulheres, eram diferentes mas iguais.

As comunidades humanas se fixam cada vez mais, surgem disputas dos grupos por territórios, isso eleva a categoria dos homens a guerreiros pois a vida da mulher como geradora de vida nova era muito valiosa e merecia ser defendida.

Lentamente um ressentimento masculino vai germinando neste estado primitivo, que queria ter o poder de criação para si e ocupar o lugar central da sociedade, surge o masculino opondo-se a tudo o que era feminino. Lentamente a revolução patriarcal vai se organizando. O homem toma para si o poder da criação, os cultos ao deus fálico crescem, o homem passa a ter maior importância no surgimento da vida. Os homens tornaram-se importantes com a guerra, organizam as coisas para "manter a ordem", se sente forte, glorioso, com desejos de grandeza, esposo da deusa, um deuso, um deus...para isso tem que assassinar a deusa, tomar-lhe o poder, tomando a terra, desprezando a terra, dizendo que o importante é a semente, assim como o corpo da mulher seria inerte sem a semente masculina.

Tomam o poder de controlar a vida. A deusa gera e o homem toma para si, surge o paternalismo, surge a propriedade, a terra propriedade, a mulher propriedade, os filhos propriedades, os animais propriedade. A deusa é caluniada, seu culto é chamado de paganismo indecente, o deus é gerado numa mãe virgem inviolada e sofredora, de um pai austero que premia com seu amor quem se deixa domesticar e submeter-se a ele, um pai punidor, racional, controlador. Um deus homem, um lar patriarcal, um regime de violência, dominação.Disso decorrem o patriarcado - a falácia do poder - o imperialismo, o militarismo, o capitalismo, o industrialismo, o consumismo, o racismo, o sexismo e o especismo. Dominação andro-antropocêntrica, exploradora e antiecológica.

O modo como toleramos a violência e crueldade contra os animais não humanos, nos mostra como toleramos também a violência contra as mulheres, os negros, os pobres, os idosos. Assim como as feministas, os defensores dos direitos dos animais, são ridicularizados, suas aspirações consideradas irrelevantes, são acusados de: radicais, extremistas, chamados de histéricos, emotivos, neuróticos, anti-sociais. Opor-se a exploração animal é um ato de amor próprio, de escolha, de liberdade de dizer não, de não ser massificado pelo sistema. Podemos escolher ter uma vida não brutalizada, não violenta.

Fonte:
http://www.sentiens.net/top/PA_TRI_tamara_03_top.html

Artigos Relacionados:
default thumbnail image alt
10 leites vegetais e queijos veganos para fazer ou comprar
Você é intolerante a lactose ou intolerante a crueldade animal? Veja aqui 10 dicas de leites e que
corte orelhas
Corte de cauda e orelhas é proibido
Quem aí já viu uma foto recente, ou pessoalmente um animal com cauda ou orelhadas cortadas? Infeli
somos todos terráqueos
Somos todos Terráqueos
Uma vez que todos nós habitamos a Terra, somos todos terráqueos. Não há sexismo, racismo ou espe
santuário das fadas
Fotos mostram convivência de diferentes animais em santuár
Uma jovem loira carioca, deixou a badalação da cidade e o antigo emprego, e resolveu criar um sa

Publicidade

  • vetipe

Busca

Fill out my online form.
 

Vídeo

1635414
Hoje
Essa semana
Esse mês
Total de visitas
240
3055
19013
1635414

Seu IP 54.81.54.46
Agora